Hhhh - Laurent Binet - (COD:1765 - M)

R$400,00 à vista no Cartão
Em estoque
SKU 9788535920604

(COD:1765 - M)Livro em bom estado para leitura, capa brochura, ponta inferior da lombada amassada, contem quebra na divisa entre as paginas 312 e 313, sem grifos ou rasuras, bordas levemente sujas.

 
  • -

Himmlers Hirn heißt Heydrich: o cérebro de Himmler se chama Heydrich. A sentença corrente entre os membros da SS permite vislumbrar os horrores vividos pela extinta Tchecoslováquia durante a ocupação nazista, quando o implacável chefe da Gestapo, Reinhard Heydrich, foi nomeado pelo Führer o “protetor” da Boêmia-Morávia, território incorporado ao III Reich durante a Segunda Guerra Mundial. Heydrich logo se tornou um misto de vice-rei e ditador, com absoluto poder de vida e de morte sobre os tchecos. Prisões em massa, torturas e execuções sumárias passaram a integrar o cotidiano dos habitantes da capital, que apelidaram seu novo senhor de “o carrasco de Praga”. Esse é o cenário que serve de pano de fundo para que Laurent Binet, um apaixonado por Praga e pela história da resistência antinazista, escreva o eletrizante romance HHhH, em que ficção e realidade se confundem, colocando em evidência a natureza fugidia e multifacetada da verdade histórica. Até 1941, Jan Kubiš e Jozef Gabcík não passavam de obscuros sargentos do Exército tchecoslovaco. No entanto, na primavera daquele ano - que marcaria o auge da extensão do império hitlerista -, o governo tchecoslovaco no exílio decide partir para o contra-ataque. As brutalidades cometidas contra a população tcheca seriam vingadas numa ação espetacular, cujo alvo era Reinhard Heydrich. Após uma rigorosa triagem, Gabcík e Kubiš são os militares incumbidos dessa missão heroica, na prática uma empreitada suicida. “Um livro surpreendente. Painel vívido de Praga ocupada pelos nazistas.” - L’Express “Golpe de mestre.” - Le Figaro Magazine “Como evocar Heydrich, um dos maiores canalhas da história, sem lhe render homenagem? É a esse dilema moral inevitável que Binet procura responder em seu romance admirável.” - Le Nouvel Observateur

Escreva sua Própria Avaliação
Sua Classificação